A bicicleta elétrica vem se popularizando como um meio de transporte alternativo, principalmente, nas grandes cidades brasileiras. Apesar da popularidade, o preço dessas bicicletas ainda é pouco atrativo para os consumidores.

Esse novo meio de transporte funciona como uma bicicleta comum. O seu diferencial está na presença de um motor e uma bateria elétrica, que diminui o esforço do ciclista, principalmente, nas subidas.

O valor de uma bicicleta elétrica é, em média, 6mil reais . Mesmo assim, esse é um mercado que vinha crescendo entre 20% e 30% antes da pandemia. Sendo as empresas de aluguéis de bicicletas responsáveis por alavancar esse crescimento.

O mercado nacional da bicicleta elétrica é dividido, praticamente igualmente, entre produtos feitos em territórios brasileiro e produtos importados, porém mesmo com a produção nacional, muitos insumos para a fabricação dependem de importação. Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, o crescimento da produção nacional aumentou em 2021, apesar do quadro de crise causado pela pandemia.

Perfil do usuário da bicicleta elétrica

Quando a bicicleta elétrica chegou ao Brasil, esse equipamento foi apresentado como uma opção mais sustentável e rápida para os trabalhadores que buscavam por uma maneira mais simples de vencer o deslocamento casa-trabalho sem precisar enfrentar engarrafamentos.

Entretanto, esse modelo de transporte alternativo alcançou um grupo mais diverso de usuários através das empresas de aluguel de bicicletas. Com a pandemia causada pela Covid-19 e o aumento do preço dos combustíveis, a bicicleta elétrica passou a ser utilizada  também pelos profissionais de delivery.

Nesse cenário, a demanda por bicicleta elétrica dobrou no país. Mesmo assim, os preços continuam altos. Devido o forte aumento do dólar e a desvalorização da moeda nacional, bem como com a escassez de insumos e a alto custo custo na logistica de importação.

As vantagens da utilização da bicicleta elétrica são muitas. Além da sustentabilidade, a bicicleta elétrica exige menos esforço que o modelo tradicional e não tem a necessidade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para ser pilotada.

Frente a essas vantagens, empresas de entregas passaram a oferecer bicicletas elétricas como uma opção para seus entregadores. Nesses casos, são oferecidos preços de aluguel mais atrativos para aqueles que optarem por esse modelo.

person in red jacket and blue denim jeans walking on street during night time

Os entregadores que escolherem trabalhar usando uma bicicleta elétrica estão satisfeitos. O gasto com aluguel é menor que com combustível e a manutenção do equipamento fica a cargo da empresa locadora.

Dessa forma, os responsáveis pelas entregas diminuem os custos com manutenção de equipamento. Transformando os ganhos dos entregadores e aumentando os lucros. Assim, mesmo que o equipamento não seja utilizado e fique parado é mais barato do que manter uma motocicleta em inatividade.

As baterias das bicicletas elétricas têm uma autonomia que varia de 20 a 40 quilômetros, dependendo da marca. Entretanto, mesmo após seu fim, as bicicletas não param de funcionar. Sem a carga elétrica, elas passam a atuar como uma bicicleta tradicional.

Preço da Bicicleta Elétrica: Falta de financiamento e alta do dólar

Apesar do crescimento da bicicleta elétrica no mercado, ainda não existe um modelo de financiamento que facilite a compra deste equipamento. Hoje, o parcelamento da compra é feito apenas por meio do cartão de crédito ou à vista.

Além disso, a variação do valor da moeda americana tem grande influência no preço final do produto. Isso graças à importação da bicicleta elétrica ou de algumas das partes da sua constituição.

Preço da bicicleta elétrica: impostos

Ficou claro que fatores externos influenciam no preço da bicicleta elétrica. No ambiente interno, o valor desses equipamentos sofre grande pressão dos impostos que recaem sobre o produto.

É sabido que a carga tributária brasileira é pesada, sendo parte importante dos valores dos produtos em circulação no mercado nacional.

Cada categoria de produto tem uma carga tributária específica. A diferença entre os preços das bicicletas tradicionais e elétricas reside, em grande parte, na diferença das cargas de impostos que são aplicadas aos dois produtos.

No que se refere às bicicletas tradicionais produzidas no Brasil, o preço de custo tem um aumento de mais de 60% em razão da incidência da carga tributária. No caso da bicicleta elétrica, a porcentagem de aumento é ainda maior.

De acordo com a legislação nacional, a bicicleta elétrica não é colocada na mesma categoria dos modelos tradicionais. Na verdade, ela está inserida na categoria de ciclomotores.

Sendo assim, a bicicleta elétrica sofre uma carga tributária semelhante àquela aplicada às motocicletas. Assim, a quantidade de impostos pagos acaba sendo responsável por 80% do valor do preço de venda de uma bicicleta elétrica.

Os impostos que incidem sobre as bicicletas elétricas e suas porcentagens são:

— Impostos referentes a importação: 20%;
— Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI): 31,5%;
— Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins): 9,65%;
— Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS): 18%;
— Programa Interação Social (PIS/PASEP): 2,1%.

Para efeito de visualização da pressão que os impostos geram no preço da bicicleta elétrica, vale a comparação com outros produtos, que também são importados ou contam com partes importadas.

Automóveis populares contam com 13% de impostos. Uísques com 30%, mesmo percentual aplicado aos charutos. Já granadas e bombas têm uma porcentagem de 20% de impostos.

Clique aqui e conheça os modelos de bicicletas elétricas da Two Dogs.