Estratégias para aproveitar o crescimento da venda de bicicletas elétricas

Compartilhe em facebook
Compartilhe em twitter
Compartilhe em linkedin
Compartilhe em whatsapp
Compartilhe em email

Aliança Bike entrevista CEO da Two Dogs, Marcos Fortuna

Em nova matéria da Aliança Bike, Marcos Fortuna conta suas perspectivas sobre o mercado, seus desafios e estratégias para aproveitar o crescimento da venda de bicicletas elétricas.

As expectativas para as vendas de bikes elétricas são ótimas, apesar dos desafios. Como resultado da pandemia, surgiram estratégias para aproveitar o crescimento de venda de bicicletas elétricas e, com isso, espera-se que o aumento no volume de vendas chegue próximo aos 34% em relação ao ano passado.

As empresas esperam que as pessoas passem a buscar ainda mais a bicicleta como uma opção real de mobilidade nas cidades. Nesse contexto, o aumento no preço dos combustíveis pode ser um aditivo para o aumento do uso da bicicleta para a mobilidade urbana.

Desafios com importação e estratégias da Two Dogs

Os desafios foram semelhantes em todo o setor. Como por exemplo, as importações passaram por atrasos com a pandemia e, com isso, garantir produtos e peças passou a ser uma dificuldade.

Uma das maiores dificuldades da Two Dogs durante a pandemia foram as quebras na cadeia de fornecimento. Isso aconteceu porque as mercadorias de importação chegavam ao estoque e em pouco tempo a empresa vendia grande parte.

[Veja também 10 dicas para vender mobilidade elétrica e lucrar]

Maior fábrica de bikes do mundo, a Giant, não está dando conta da demanda. Apesar dos desafios, existem estratégias para aproveitar o crescimento da venda de bicicletas elétricas.
Maior fábrica de bikes do mundo, a Giant, não está dando conta da demanda — Foto: An Rong Xu/The New York Times — Por Raymond Zhong – c. 2020 New York Times News Service em Matéria da Exame

Marcos Fortuna, CEO da empresa, levanta ainda um outro fator que aumentou o desafio nas operações. Em outras palavras, a Two Dogs sempre usou capital próprio e passou a contar com apoio bancário para financiamento de capital giro somente em 2020. Uma alavancagem que está hoje em cerca de 20%.

Essa injeção de dinheiro ajuda, mas o retorno do investimento acaba se alongando bastante. Em tempos pré-pandemia, a realização do retorno demorava em média 10 meses. Agora, por exemplo, esse tempo aumentou para 14 meses, sem levar em consideração os atrasos para a chegada de mercadorias.

[Veja também Como as lojas lucram com a venda de bikes elétricas]

A concentração de fornecedores continuará a ser um problema. Como resultado disso, o desafio para quem opera no mercado brasileiro é descobrir uma cadeia de suprimento nacional que possa ser uma alternativa à dependência asiática.

E aí, ficou com vontade de conhecer nossa Bike Elétrica e o Kit Elétrico Bicicleta? Então confira nos links 😉

Este é um resumo do texto de João Lacerda. Encontre a matéria original no site da Aliança Bike.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Corra para não perder as promoções, lançamentos e novidades!